Um site obsceno

Quando a mulher repentinamente entrou na sala, o marido, num acesso de pânico, bateu a tampa do laptop com tanta força que o frágil fecho de plástico chegou a quebrar-se e cair ao chão. — O que você tava vendo aí? — perguntou, desconfiada. — Nada não, meu bem. É …

A menina branca

Já as postagens sobre bichos — ah! — essas causavam grande impacto e comoção. Edgar chegava a se perguntar se seus amigos viam o sofrimento humano como algo merecido — como uma espécie de castigo inexorável por comermos salaminhos inofensivos e mortadelas indefesas — ou se, pelo contrário, esses mesmos amigos — pressupondo que todos os humanos são animais — já incluíam automaticamente nesses protestos a indignação pelo assassinato de tantos de nossos semelhantes.

O pecado favorito

— Você já assistiu ao filme “O Advogado do Diabo”? — Aquele com o Al Pacino? — Esse mesmo. — Já vi. Por quê? — Lembra qual a declaração final do Diabo? — Claro: “A vaidade é definitivamente o meu pecado favorito”. — Pois é, acho que o pecado favorito …

Cotas, cocotas e sem cotas

— O senhor é negro. É anão… — Sim. — É cadeirante. — Isso. — É gay? — Sim. E mulher. — Como? — Mudança de sexo. — Ah, ok. Interessante isso. — Pois é. — Bom, pelo acúmulo de cotas… já é juiz federal! Nem precisa prestar o concurso. …

Se beber…

— Ah, não! Uma blitz!! Anda, filho, troca de lugar comigo, rápido! — Mas, pai, eu… — Vamos logo! Quer ver seu pai na cadeia, é? Não viu que eu bebi uma taça de vinho na casa da sua avó? — Mas… — Não tem mais nem menos! Vai, se …

Enquanto isso, no banheiro feminino…

  “Ei, por que você tá me olhando desse jeito?” “Por nada.” “Essa voz…” “Que que tem minha voz?” “Aaah! Você é homem! Sai daqui!” “Não saio não.” “Então eu vou gritar!” “Mas eu sou crossdresser.” “Hã?! Crós o quê?” “Crossdresser. Estou vivenciando meu lado feminino.” “Tá bom… Só porque …

A luz do Bob Esponja

Eu juro que não faço de propósito. É que eu sou assim mesmo, um cara meio esquisito. Digo isso porque, sempre que volto a conversar com o Cassius Pucci Cordeiro, diretor de fotografia do meu curta-metragem (Espelho), ele se recorda dessa história. A questão é que eu queria uma iluminação XYZ para nosso filme, cujo desenrolar tem como único cenário uma sala de cinema.

Humanose

Montes de peregrinos lavando a poeira e o cascão de centenas de quilômetros de andanças, corpos sendo cremados às margens (a cinza voando em direção às águas), gente comendo e molhando a comida na água, provavelmente muita gente urinando porque – puts, grila – não é possível que mijem nas piscinas de Caldas Novas e centenas de milhares de pessoas não mijem no Ganges.