Dando o troco

— Funerária Blablablá, bom dia.

— Bom dia. São vocês que ficam ligando aqui em casa com uma gravação automática, não é?

— Sim, faz parte da nossa estratégia de marketing.

— E devo dizer que funciona, viu. Vocês costumam ligar justamente quando estou super concentrado, escrevendo ou lendo alguma coisa, totalmente esquecido de que a vida tem um fim.

— Ah, desculpe, não era nossa intenção incomodá-lo, se o senhor…

— Não, não. Está tudo bem. Eu realmente queria contratar o seu serviço.

— Ah, pois não. É uma precaução ou… ou o senhor precisa dos nossos serviços imediatamente?

— Pra já.

— Ah, sinto muito. Meus pêsames.

— Obrigado.

— De quem se trata?

— Do meu gato.

— Um animal?

— Sim, um gato, um felino, um siamês filho-da-puta.

Pausa.

— Desculpe, senhor, mas nós não lidamos com funerais de animais domésticos.

— Tem certeza? Porque eu já estava me preparando para matá-lo agorinha.

— Como? Ele está muito doente?

— Não, não. Ele só é chato demais. Era da minha irmã, sabe. Aí ela se casou, mudou e largou esse pentelho aqui. Eu gosto de bichos, mas gosto de bichos grandes, tipo um cavalo ou um cão de caça, desses que não ficam se esfregando na gente o tempo todo, querendo companhia, esse mimimi infernal. Porra, isso é bicho de mulherzinha sem filhos! Não tenho paciência maternal. A carência dele me irrita profundamente. Por isso, quero me livrar do maledeto e preciso da sua ajuda.

— Mas, senhor, eu… eu nem sei o que…

— Poxa, vocês ficam me enchendo o saco todo santo dia com esse negócio de morte, morte, morte, acabam me dando essa grande idéia, e agora não podem me ajudar? Eu moro num apartamento, não tenho onde enterrá-lo e não pretendo jogá-lo pela janela.

— Por que o senhor não o dá para alguém?

— E você acha que já não fiz isso? Essa porra desse bicho tem algum tipo de GPS. Quando vejo, já está lá na portaria me esperando. Parece um encosto peludo.

— Bom, senhor, não sei o que dizer. Não posso fazer nada.

— Pode, sim!

— Mas o que eu poderia fazer?

— Para resumir, por que vocês não enfiam essa tal de morte no rabo? Podem começar pelos caixões. E parem de me encher o saco! Já tenho este merda aqui para fazer isso. Preciso terminar meu livro.

“Desligou. Bom, vamos ver se esse pentelho está lambendo a água da torneira da cozinha de novo. Bicho nojento…”

______

Esta é uma obra de ficção, qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações da vida real terá sido mera coincidência.

Você gostou do que leu?
Regale Yuri Vieira com criptomoedas

Doe bitcoins para Yuri Vieira

Escaneie para enviar bitcoins ao Yuri Vieira
Escaneie o código QR ou copie o endereço abaixo em sua carteira para enviar alguns satoshis:

Donate Bitcoin Cash to Yuri Vieira

Scan to Donate Bitcoin Cash to Yuri Vieira
Scan the QR code or copy the address below into your wallet to send bitcoin:

Donate Ethereum to Yuri Vieira

Scan to Donate Ethereum to Yuri Vieira
Scan the QR code or copy the address below into your wallet to send some Ether:

Doe Litecoin para Yuri Vieira

Escaneie para doar Litecoin para Yuri Vieira
Escaneie o código QR ou copie o endereço abaixo na sua carteira para enviar litecoins:

Donate Monero to Yuri Vieira

Scan to Donate Monero to Yuri Vieira
Scan the QR code or copy the address below into your wallet to send some Monero:

Doe ZCash para Yuri Vieira

Escaneie para enviar ZCash ao Yuri Vieira
Escaneie o código QR ou copie o endereço abaixo em sua carteira para enviar ZCash: