A culpa é da sociedade

Se você é da sociedade, se você faz parte dela, mais dia menos dia estará atrás das grades, sejam estas grades as da sua casa ou prisão, sejam elas as das fronteiras do seu estado, cidade ou país, sejam elas as dos limites do que pode ser pensado, criado, informado, expressado, consumido…

De olho em todos

Eu, enquanto não pousar na Terra um Avatar que seja nosso rei-filósofo, continuarei um, digamos, mais ou menos libertarian, isto é, alguém que não curte nem um pouquinho as safadezas do Estado, seja este de esquerda, seja de direita…

Debate na Ala Oeste

Fim de semana passado, enquanto zapeava pela Net, fiquei surpreso ao me deparar com um profícuo debate entre dois candidatos à presidência dos EUA: o deputado democrata Matt Santos (juro que não é meu parente) e o senador republicano Arnold Vinick…

Negócio da China: como funciona

Antônio C. Veloso, irmão do meu cunhado, é empresário do ramo de autopeças. Recentemente participou de um encontro, em São Paulo, com representantes de indústrias chinesas interessadas no mercado brasileiro. Passadas as formalidades e o grosso da reunião, sentou-se a conversar com um desses negociantes. A certa altura veio à tona a observação, corrente entre nós, a respeito da baixa qualidade dos produtos importados da China e o impacto destruidor de seus baixos preços.

Libertários, estatistas, Friends, Jivago e Islã

Considero o Estado um tipo de gesso sobre o esqueleto fraturado da sociedade. Por quê? Ora, o que torna as relações viáveis numa sociedade é a confiança mútua entre os humanos. Presentemente ainda há ruptura, não há nexo pleno entre os indivíduos, somos quase todos, em graus diversos, estranhos um ao outro – muitas vezes dentro da própria família – daí a desconfiança geral.