Um outro atalho

12/12/2011
Por Imprimir

Desde o despertar da autoconsciência
— Lá na infância, em algum canto da escola
Talvez no escorregador, após o pão com mortadela —
Venho aguardando da minha vida o início.

Aos trancos e barrancos, como se diz
É que vejo passar o tempo
Sem que nada, no entanto, mude
A não ser a idade desse vício de aguardar.

Em que ponto, Deus meu, começarei a viver?
Terei de sentir tal frustração até a cova?
Será toda vida uma sala de espera?
Todos os meus amores não serão
Mais que do sexo a desforra?

Para ficar vieram os cabelos brancos
O desprezo dos amigos às minhas visões
A febre das que foram amadas
A minha saudade dum tão recente amor.

Tudo isso forja a minha solidão
Esse incessante fiasco de apalpar o devir
De fazer tocaia à vida
Que certamente pegou um outro atalho.

____
SP, 12/12/2011 

Use o Disqus, mais abaixo, para comentar...

Tags:

Arquivado sob: Poemas

Translate this page

Conteúdo

Social


    Curta minha página


    Siga-me no Facebook




    Cadastre seu endereço de email e receba automaticamente os posts publicados:


PayPal

Faça uma doação!

O Autor

Yuri Vieira é escritor e cineasta. Saiba mais.

Visitas