Soneto do Desmemoriado

09/01/2013
Por Imprimir

Quantas vezes censurou-me a memória:
«Diz o já dito! Do novo se esquece!
«Datas? Nomes? Tudo aí se arrefece!
«Meus esforços? Pra você são escória!»

Que pena não ser bem mais esquecido!
Quisera eu já não tê-la em minha mente!
Pernas, olhos, voz, mãos — a boca quente!
Quisera não ser da dor o marido!

Para esquecê-la eu seria capaz
De fumar três mil quilos de maconha
Ou de restaurar com um tiro minha paz.

Claro, isto tudo faria e muito mais
(Porque afinal não sou um pamonha)
Se ela sentisse que me amou jamais.

_____
Outubro de 2012. 

Use o Disqus, mais abaixo, para comentar...

Tags: ,

Arquivado sob: Poemas

Translate this page

Conteúdo

Social


    Curta minha página


    Siga-me no Facebook




    Cadastre seu endereço de email e receba automaticamente os posts publicados:


PayPal

Faça uma doação!

O Autor

Yuri Vieira é escritor e cineasta. Saiba mais.

Visitas