A sábia ingenuidade do doutor Pinto Grande

— Seu Roberto, antes de as pessoas perderem o bom senso, elas perdem o senso de humor. É sempre assim. Nós vivemos uma época complicada, revolucionária, com gente tentando negar, não de forma positiva nossa animalidade intrínseca, mas negar a própria natureza humana. Um dia, nosso corpo morrerá e não sobrará senão nossa humanidade....
Continua»

O náufrago e a náufraga

Cansado dos constantes atritos com a esposa, Júlio decidiu convidá-la a fazer um cruzeiro pelas ilhas do Pacífico: uma viagem daquele tipo, acreditava, poderia devolvê-los a um estado pós-Lua de Mel. Marilda ouviu a proposta, meditou por alguns momentos e a aceitou: talvez ele tivesse razão e novos ares iriam restaurar um relacionamento já...
Continua»

Teologia da maconha (um conto BASEADO em fatos reais)

— A gente devia ir agora no Facebook e confessar pra todo mundo que somos dois coxinhas ex-malucos que voltaram a cair na tentação da maconha, que agora até corremos o risco de apanhar do Capitão Nascimento, de saco plástico na cabeça e tudo: “São vocês, da direita religiosa doidona, que financiam essa merda!”.
Continua»

Amor e tempo

Um dos trechos do livro de Carl Sagan que mais me impressionaram, e de que jamais me esqueci, foi a dedicatória à sua esposa: "Para Ann Druyan — Diante da vastidão do espaço e da imensidade do tempo, é uma alegria compartilhar um planeta e uma época com Annie".
Continua»

O machista feminista

Tempos atrás participei de um encontro literário na Casa Mário de Andrade, em São Paulo, onde, ao longo de uma semana, debati com outros autores as perspectivas da literatura brasileira neste novo milênio. Foi lá que, entre outros, conheci pessoalmente Elisa Andrade Buzzo, Luis Eduardo Matta, Miguel Sanches Neto, André de Leones, Fabrício Carpinejar...
Continua»

O Marceneiro e o Poeta

Bruno Tolentino... Naquela ocasião, eu ainda não o conhecia muito bem, mas chegaria a conhecê-lo melhor nos nove meses seguintes, tempo que ele moraria ali conosco: uma figura simplesmente extraordinária, com uma trajetória de vida de arrepiar os cabelos.
Continua»

O chilique do cabeleireiro diante da modelo

A modelo, constrangida, ainda não entendia o que estava acontecendo. Na verdade, não acreditava que tivesse realmente algo a ver com a situação. Ela, ao contrário do maquiador — e devemos ao cabeleireiro ao menos essa gentileza —, vinha sendo poupada das razões daquele atraso.
Continua»

Hilda Hilst, o IPTU e a Chave da Cidade

Quando Hilda Hilst faleceu, em 4 de Fevereiro de 2004, devia cerca de 800 mil reais de IPTU. Dois anos antes, a dívida era de 500 mil reais. Quando morei com ela, a dívida já era altíssima, salvo engano, aí pelos 300 mil reais. Mas, pouco antes de conhecê-la, quando a dívida já a...
Continua»

A menina branca

Já as postagens sobre bichos — ah! — essas causavam grande impacto e comoção. Edgar chegava a se perguntar se seus amigos viam o sofrimento humano como algo merecido — como uma espécie de castigo inexorável por comermos salaminhos inofensivos e mortadelas indefesas — ou se, pelo contrário, esses mesmos amigos — pressupondo...
Continua»

Homem também tem pêlo

Em Junho de 1999, quando eu já morava na Casa do Sol havia quase nove meses, a atriz e diretora Bete Coelho e a figurinista e cenógrafa Daniela Thomas foram visitar Hilda Hilst. Ambas participavam do projeto de adaptação para teatro do livro O Caderno Rosa de Lori Lamby, cuja protagonista seria vivida por...
Continua»

Doutor Pinto Grande e o pedinte do metrô

— O senhor está me dizendo que já não acredita em Deus tanto quanto aquele blogueiro não crê na existência da internet. Mas, dentro Dele, de Deus (e não do blogueiro), nós nos movemos, pensamos, respiramos, vivemos e morremos. Percebe? É dentro da internet que o blog “vive” e “morre”.
Continua»

Precisa-se de empregada feia. Bem feia.

Em 2000, na Casa do Sol, ficamos alguns meses em apuros ou, como dizíamos, no mato com oitenta cachorros mas sem nenhuma empregada doméstica. Não me lembro exatamente por que Hilda Hilst havia demitido a anterior, mas, salvo engano, creio que tinha algo a ver com a qualidade do café feito por ela. Qual...
Continua»

Márcia e o desconhecido do MSN

  Márcia iniciou o MSN e a janela com o convite se abriu: um certo Alessandro queria adicioná-la. Era bonito na foto e, no texto do convite — “Oi, te achei interessante. Posso te adicionar?”—, havia o endereço do perfil dele no Facebook. Decidiu, pois, dar uma checada antes. Viu que ele tinha apenas...
Continua»

Nosso homem em Curitiba

O agente G. Greene segue o grupo até um bar de Curitiba e senta-se numa mesa próxima. Percebendo que a reunião poderá ocorrer ali mesmo, entra em contato com Langley, a sede da CIA, mediante um excelente software utilizado por todos os espiões do mundo: o WhatsApp. — Controle, segui Dugin até um bar...
Continua»

O Abominável Homem do Minhocão

Depois de passar vinte anos escondido da repressão militar na rede de esgoto do campus universitário, professor de sociologia volta à labuta..
Continua»

A Bacante da Boca do Lixo

Todo aspirante a escritor que se preze já leu e já desejou ser Henry Miller. Para quem tem a cabeça de cima cheia de hormônios, a de baixo cheia de idéias e o quarto entulhado de literatura, nada mais atraente do que aquela vida intelectovagabunda com mil e um personagens fascinantes e uma mulher...
Continua»

O Livro de Urântia: notas sobre uma possível revelação divina

Jorge Luis Borges descreve assim a descoberta do primeiro volume da enciclopédia sobre o planeta Tlön: "Numa noite do Islã, que se chama a Noite das Noites, abrem-se de par em par as secretas portas do céu e é mais doce a água nos cântaros; se essas portas se abrissem, eu não sentiria o...
Continua»

O Exorcista na Casa do Sol

Saiba como foi assistir ao filme O Exorcista, na Casa do Sol, acompanhado pela escritora Hilda Hilst, pelo poeta, ex-professor de Oxford e ex-presidiário da ilha do diabo inglesa, Bruno Tolentino, e mais quinze cães. (Agradeço ao J.Toledo e ao Zuenir Ventura por me convencerem de que minha memória não deve nada a ninguém.)...
Continua»

Genus irritabile vatum

Eis o primeiro conto do livro "L.S.D.eus - Contos Extáticos", no qual um aspirante a escritor, após tomar uma droga desconhecida, sofre a pior bad trip da sua vida. A propósito: Genus irritabile vatum ("a raça irritável dos poetas") é uma expressão de Horácio (Epístolas, II, 2, 102) que serve para caracterizar a extrema...
Continua»

Matando um mosquito com um tiro de canhão

Neste conto, extraído d' A Tragicomédia Acadêmica, um famigerado diretor de cursinho preparatório para o vestibular recebe estranha carta de um ex-aluno.
Continua»

Megalômano não: Mestre de um Universo

Veja por que minha loucura me salvou de um amigo que pensava ser mais louco do que eu.
Continua»

O Rolex e o Celular

O Rolex e o Celular ou Como converter um cineasta de esquerda, durante um banquete de festival de cinema, às delícias de se compreender o valor da propriedade privada.
Continua»

Frida – uma singela homenagem a…

Neste conto, conheça Frida, uma jovem estudante de antropologia, seu coelho Paulo e seu professor-amante, Aleister Crowley de Souza...
Continua»

Paralíticos e Desintegrados

Neste conto, extraído d'A Tragicomédia Acadêmica, leia uma entrevista com dois intelectuais de grosso calibre.
Continua»

O hippie reacionário

Sempre dou muita risada quando vejo o Erik Cartman, o gordinho do South Park, xingando alguém de hippie. (Isso sempre me lembra uma ex-namorada que, ao passear por feiras de artesanato, costumava reclamar: “Ai, que cheiro de hippie”.) O que eu nunca imaginei é que alguém chegaria um dia a me chamar — sim,...
Continua»

Memórias da Ilha do Capeta

Conto onde se narra a terrível e psicodélica história dos prisioneiros de um alojamento estudantil.
Continua»

Apagãolipse Now

Este conto foi escrito na Casa do Sol, em Maio de 1999, a partir de fatos ocorridos durante o grande apagão daquele ano.
Continua»

O Aluno Genial

“O belo é a manifestação sensível da verdade, já dizia…” “Aaah…”, bocejou sonoramente Maimônides. Teófilo, professor de Estética e de Introdução à Filosofia na Universidade de Brasília, irritou-se: “Quem é que dizia isso, Maimônides?”, quis perguntar sem no entanto o fazer. Afinal, o professor Teófilo não era assim tão estúpido. Era evidente que Maimônides...
Continua»

No FICA com Dib “Lama” Lutfi

Neste artigo, você saberá como foram as conversas que tive com o talentoso cinegrafista e/ou diretor de fotografia dos filmes "Terra em Transe", "Como era gostoso o meu francês", "A Falecida", "O Desafio", "O Ponto de Mutação"...
Continua»

O Wândolo

Conto onde se narra o encontro de uma estudante com um híbrido de vândalo com o cantor Wando.
Continua»

A volta dos que não foram

Conto extraído d' A Tragicomédia Acadêmica onde estudantes de física presenciam uma insólita viagem no tempo.
Continua»

Translate this page

Conteúdo

Social


    Página dos meus livros e ebooks


    Siga-me no Facebook




    Cadastre seu endereço de email e receba automaticamente os posts publicados:


PayPal

Gostou? Faça uma doação!

O Autor

Yuri Vieira é escritor e cineasta. Saiba mais.

Visitas



Mude a pagina para versao celular